terça-feira, 25 de outubro de 2011

Tudo Passa .. - Parte 33

Tenho seguidores espertos, gostei :)
Aqui está mais um como prometido, espero que gostem ^^

 



(…)
Quando voltamos para junto delas, o Rodrigo estava com elas mas a Nádia estava mais afastada deles e ela estava de costas na nossa direcção.
Quando chegamos, abracei-a por trás e ela deu um pulo de susto fazendo-me rir, o Rodrigo lançou-nos um olhar nada agradável mas estava-me pouco lixando para ele.

F – Queres ir dar uma volta por aqui? Só nós? – Susurrei-lhe ao ouvido, vi-a abrir um daqueles sorrisos que só ela sabe dar.
N – Claro. – Disse há medida que me puxava pela mão e sussurrava alguma coisa há Andreia.
Ainda ouvi o Rodrigo dizer “onde é que eles vão?”, mas ignoramos os dois.
Enquanto caminhávamos, as nossas mãos de vez em quando chocavam uma com a outra e ela soltava um risinho fofo, até que tomei a iniciativa e entrelacei os meus dedos nos dela, e vi-a abrir de novo aquele sorriso, estar com ela era tão bom, ela fazia-me bem bastava estar perto dela que já tinha o meu mundo completo.

X

Já se tinham passado dois meses e as coisas com a Nádia estavam cada vez melhores, o Rodrigo já se tinha afastado felizmente fazendo assim com que a Nádia o esquece-se mais rapidamente para minha felicidade.
Estava nos corredores da escola, com amigos meus da minha turma quando a vi entrar mais a Andreia, vinha perfeita como sempre.

N – Heý Meu Anjo. – Disse dando-me um beijo e sorrindo logo depois. Eu disse que as coisas estavam cada vez melhores.
F – Heý Princesa, essa animação toda é por me veres logo de manhã?
N – Sim. – Disse dando aquele sorriso.
F – Bom dia Andreia. – Disse dando-lhe um beijinho na bochecha.
D – Heý chega pra lá, que esta miúda é minha! – Sim, era o Duarte ele agora namorava com a Andreia, felizmente conseguiu resolver os problemas que andavam na cabeça e principalmente no coração, até que ele decidiu se inscrever na escola e ficar cá a morar comigo, e também obviamente por causa da Andreia. Cumprimentamo-nos e ele abraçou a Andreia de lado que estava envergonhada, pelos vistos o Duarte fazia-a ficar assim muitas vezes.
F – Toda tua, eu tenho a minha aqui. – Pisquei-lhe o olho e passei o meu braço pela cintura da Nádia trazendo-a mais para perto de mim, se isso fosse possível.

X

Estava em casa, e quase que me dava um colapso nervoso se eu não falasse com o Duarte, acho que mais ninguém me podia ajudar nisto.
Dirigi-me há sala onde ele estava a ver qualquer coisa que passava na tv.

F – Mano, preciso de falar contigo. – Disse sentando-me ao lado dele, logo ele desligou a tv para me dar atenção.
D – Chuta puto!
F – Ahn.. Então.. Eu.. – Aquilo não saia nem por nada.
D – Siiimmm? – Disse ele incentivando-me a dizer.
F – Euamoanadiamasnaoseicomolhedizernemcomoapediremnamoro. – Disse tudo tão rápido e olhei para o Duarte que estava com os olhos arregalados, sinal que não tinha percebido nada , pior para mim.
D – What?! – Começei-me a rir, mas resolve dizer devagar.
F - Eu.amo.a.nadia.mas.nao.sei.como.lhe.dizer.nem.como.a.pedir.em.namoro. – Disse sorrindo, tinha conseguido!
D – Uau e obrigada por dizeres mais lento agora. – Riu-se – Mas vamos ao que interessa.. Dizeres-lhe é fácil, e como a pedires em namoro ? Pede quando for o momento que tu aches apropriado tal como quando disseres que a amas, não chegues ao pé dela e digas “Olha Nádia eu Amo-te” – Rimo- nos os dois. – Sei que não posso ajudar muito, porque não sou um expert, mas fala com o coração principalmente e verás que corre tudo bem.
F – Obrigada mano, a sério. – Dei-lhe um abraço.

X

Estava sentado num banco no jardim, há espera da Nádia eu não tive aula mas ela ainda teve uma, era um jardim onde eu gostava de ir, e que já conhecia bem e sabia que há tarde quase ninguém lá estava, talvez porque já estava no tempo de maior frio.
E apareceu ela , linda como sempre levantei-me quando ela já estava próxima, ao vê-la ali na minha frente automaticamente sorri e puxei-a para mim fazendo-a chocar contra o meu corpo.

N – Cheguei muito atrasada? Se cheguei desculpa é que.. – Pus um dedo na frente dos seus lábios pedindo que ela não disesse mais nada e analisei cada detalhe do seu rosto com o meu dedo, ela mordeu levemente o lábio e eu beijei-a com todo o amor que sentia por ela, e eu sabia que tinha de ser hoje não ia adiar mais.
(…)

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Espertos?

Acho que vou parar com a história que dizem?
(Brincadeira, fiquem descansadas que assim que tiver inspiração posto um novo, mas gostava de ter mais comentários para saber a vossa opinião :) )






*quem for esperto, vai seleccionar tudo (;

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

LINDO LINDO LINDO (...) *.*

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

C'mon fiquei triste desta vez, vocês não têm comentado a história gostava de saber se estava a fazer um bom trabalho e além do mais são vocês que me inspiram a continuar (:

sábado, 15 de outubro de 2011

Tudo Passa .. - Parte 32



(…)

Felizmente ela ficou mais animada e espero que tenha esquecido o assunto do Rodrigo enquanto aqui estamos, estávamos a ver um filme qualquer que estava a dar na tv mas eu já estava aborrecida, e com isto tudo já era hora de almoço.

N – Pessoal estou farta de estar em casa, vamos almoçar e que me dizem depois irmos passear? Pela praia ou coisa assim.
F – Acho boa ideia, vamos nos divertir.
A – E vamos onde? – Ela estava toda agarradinha ao Duarte, e notava-se que estava feliz e isso era exactamente o que eu queria, o sorriso dela contagiava qualquer um.
D & F & N – Praaaaaaaaia. – Dissemos todos a sorrir.
A – riu-se também – Então vamos encomendar uma pizza e depois vamos!

Pedimos as pizzas, entretanto vieram-nos entrega-las e almoçamos, eu e a Andreia fomos trocar de roupa, tal como eu, ela também tinha roupa em minha casa. Descemos e os rapazes estavam entretidos a andarem há porrada na brincadeira, rapazes! Saímos todos de casa, e fomos no carro do Duarte, era o único que tinha carro, dirigimo-nos para a praia mais perto, quando lá chegamos a praia estava pouco movimentada pois ainda era cedo e estava bastante calor.
Eu e a Andreia saímos do carro, e eles fizeram questão de que nós fossemos andando, chegámos há beira da água e ali ficamos de pé há espera deles.

N – Andreia?
A – Sim? – Disse ela sorrindo, notava-se a felicidade dela, até porque no carro de vez em quando o Duarte roubava-lhe um beijo e ela ficava toda corada, adorava vê-la feliz e ela certamente que o merece ser.
N – Gostas do Duarte não gostas? – Sorri tentando reconforta-la pois ela tinha ficado corada.
A – Digamos que ele tem qualquer coisa, é diferente, bastante divertido, tem um sorriso lindo, gostar talvez não seja a palavra certa mas sinto uma atracção por ele.- Sorriu envergonhada.
F – Sentes uma atracção por quem menina Andreia?! – Assustamo-nos quando ouvimos o Fábio, ele passou os braços pela minha cintura e apoio o queixo no meu ombro.
D – Sim, por quem?! – Perguntou o Duarte que apareceu ao lado da Andreia, e pelo que vi não estava muito contente.
A – Ahhm, nã.. não é ninguém! – Ela olhou para mim com um olhar como se me pedisse para ajudá-la!
N – Não têm nada a ver com isso, conversas de raparigas!
D – Ok, eu vou dar uma volta fiquem bem, e quando quiserem ir embora liguem-me. – Fiquei surpreendida pela sua atitude, será que ele também “gostava” dela? Ele afastou-se e foi caminhando pela praia.
A – Bolas, o que é que eu fiz?! – Sussurrou ela, mas nós conseguimos ouvir.
F – Eu vou falar com ele, ate já princesas. – Deu um beijo na bochecha a cada uma e foi atrás do Duarte.

Fábio a narrar

Finalmente, depois de andar muito lá consegui alcançar o Duarte.

D – Quando eu disse que vinha dar uma volta, era sozinho! – Disse irritado.
F – Hey puto calma, conta lá o que se passa.
D – Nada! – Disse com o mesmo tom de voz.
F – Oh claro e eu não sou o teu melhor amigo, nem te conheço nem nada! É por causa da Andreia não é? – Ele parou de repente, sentou-se na areia e eu fiz o mesmo.
D – Quem é que eu quero enganar?! Sim é por causa dela, tipo ela é diferente. – Pausou - Aii mas agora que eu estava tão bem sozinho, sem problemas só queria curtir, ela tinha de aparecer tão.. tão perfeita, fogo! – Suspirou irritado. Eu sabia que a ultima relação dele não tinha corrido nada bem, e ele também já me tinha dito que agora só queria curtir e não se envolver com ninguém.
F – Pois é Duarte, mas tu sabes que se ela apareceu foi por alguma razão. – Fui o mais sincero possível.
D – Pois é, mas eu ainda não esqueci a..a.. oh tu sabes!
F – Ok, ainda não a esqueces-te mas lembra-te de não usares a Andreia.
D – Sabes que era incapaz de fazer isso com alguém. – Pausou – Mas olha vamos ter com elas, senão tu morres de saudades da Nádia. – Riu-se.
F – E tu da Andreia. – Ri-me também.
(…)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Tudo Passa .. - Parte 31



(…)

Que está ele aqui a fazer?! É preciso ter coragem, sim era o Rodrigo acompanhado da Andreia.

N – Como entraram aqui? – Apesar de os ter visto, ela não saiu do meu colo.
A – Hum.. A tua mãe vinha a casa avisar-te que não vem jantar, mas como nos viu, abriu-nos a porta e disse para te dar o recado, desculpa se interrompemos alguma coisa. – Disse ela meio envergonhada.
F – E este está aqui a fazer?! – Apontei para ele.
R – Este aqui, tem nome ok?
F – Como querias , o que queres?! – Já me estava a chatear com aquele gajo, e nem há 5 minutos aqui estava.
R – Falar com a Nádia. – Quando ele pronunciou o nome dela, ela apertou-me a mão eu sabia que ela não queria falar com ele.
N – Mas eu não quero falar contigo, se fizeres favor podes sair , e Andreia? Vamos ali falar há cozinha. – Ela saiu do meu colo, passou pela Andreia e levou-a pelo braço ficamos só eu e o Rodrigo na sala, aquilo não ia correr bem.

Nádia a narrar

N – Andreia Sofia o que te deu?! – Eu estava um pouco irritada com esta situação.
A – Desculpa, mas ele ligou-me e depois perguntou-me que ia fazer e eu disse que ia passar por tua casa e ele quis vir não tive como dizer que não. – Baixou a cabeça.
N – Mas eu não tenho nada para falar com ele, ele que vá comer as que quiser não me interessa. – Disse isto um pouco alto, de modo a que ele pudesse ouvir.
A – Nádia não digas isso, sabes que ele ainda te ama e tu sentes o mesmo mas não o queres admitir!
N – Não me interessa se o amo ou não, ele desiludiu-me bastante e todas as vezes que eu falo com ele as coisas só ficam piores e além do mais eu tenho o Fábio e não me importa mais ninguém.
A – E não estarás a usar o Fábio, só para esconderes o que sentes pelo Rodrigo? – Que conversa irritante, grr!
N – Andreia! Eu não acredito que disseste isso, tu sabes que eu detesto isso e porque o havia de fazer? Eu gosto mesmo do Fábio, e sabes que mais? Só quero esquecer o Rodrigo e tudo o que ele me fez! – Já estava bastante nervosa.
A – Ok desculpa, não foi por mal amor tu sabes! – Abraçou-me.
N – Eu sei, mas podes lhe ir dizer que não quero falar com ele e depois tenho uma surpresa para ti.
A – Ok, mas não vou gostar de o ver sofrer quando lhe disser.
N – Ele não sabe o que é sofrer.
A – Bem mas já chega desta conversa, vamos ter com eles que eles estão ali os dois SOZINHOS!

E assim foi, fomos ter com eles o Fábio continuava no sofá a olhar para o nada e o Rodrigo de pé tal e qual como quando chegou, passei por ele e fui me sentar ao lado do Fábio, a Andreia levou o Rodrigo há porta e depois juntou-se a nós, mas triste por ter visto o Rodrigo abalado com aquilo.
Sussurrei no ouvido do Fábio: E que tal mandares uma mensagem ao Duarte para vir aqui ter? Pode ser que ela se anime. – Ele assentiu e mandou mensagem ao Duarte que disse que estaria aqui em 10 minutos.
Estávamos nós a ver tv, quando a campainha toca.

N – Eu vou abrir. – Fui até há porta, fiz sinal ao Duarte para não falar e ele assim fez, quando chegamos há sala, vi a Andreia olhar para nós mais propriamente para o Duarte com os olhos a brilhar, quando dei por ela vinha a gritar o nome dele e mandou-se para os seus braços, isto é só amor!
(…)

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Choose!


Obrigada a todos os que votaram, e assim o nome escolhido é "Stop for a Minute and Smile" (:

domingo, 2 de outubro de 2011

Who?

Alguém adivinha quem são as pessoas que entraram em casa e interromperam o Fábio e a Nádia ? (;

sábado, 1 de outubro de 2011

Tudo Passa .. - Parte 30



(…)
N – Bem, mas entra! – Puxei-o para dentro de casa.
F – Que queres tu fazer comigo malandra? – Deu um sorriso meio desafiador.
N – Eu?! Nada de mal totó. – Dei-lhe uma pancadinha no braço.
F –Então e que vamos fazer?
N – Ver um filme? – Sorri tentando convencê-lo, acho que não ia ser muito difícil.
F – Pode ser, mas de quê?!
N – Romance?
F – Eish tem mesmo de ser? – Fez um ar de cachorrinho abandonado.
N – Não, mas também não penses que vamos ver de terror. – Disse autoritária.
F – Oh princesa, sabes que normalmente os rapazes não gostam muito de ver filmes desses, quando estão com raparigas bonitas como tu preferem ver filmes de terror. – Disse-me depositando um beijo na minha testa.
N – Pois o que vocês querem sei eu, mas vá vamos lá então. – Suspirei derrotada, levei-o até há sala, depois subi até ao meu quarto e trouxe o portátil, há pouco tempo a Andreia tinha-me passado vários filmes e íamos escolher entre aqueles.

Fábio a narrar

Pronto, o filme estava escolhido íamos ver o “Grave Encounters” estreou há pouco tempo mas ela já o tinha estranho porque ela não gosta de filmes de terror.
Sentámo-nos no sofá, ela pousou o portátil em cima da mesa que estava há nossa frente.

F – Então diz-me lá como é que tu que não gostas de filmes de terror, tinhas ali uns poucos?!
N – Foi a Andreia, eu ainda nem tinha o visto os filmes que ela me tinha passado.
F – Hum .. Então vamos lá ver se o filme é bom. – Ela encostou a cabeça ao meu ombro e aconchegou-se melhor.

Ao inicio , como todos os outros filmes não têm nada de assustador mas com o decorrer da história as coisas tornam-se melhores, numa das partes do filme, é onde eles encontram uma pessoa virada de costas para a parede, e quando ela se vira, é uma cara horrenda, um dos motivos para a Nádia quase saltar do sofá de susto e agarrar-se a mim escondendo a cara.

N – Fábio por amor de deus, tira-me isto! – Ela dizia muito assustada, sem falar nos outros gritos que ela tinha dado ao longo do filme, e que tinha escondido a cara do meu braço.
F – Calma, é só um filme princesa. – Tentei reconforta-la e levantei-lhe o rosto para ficar de frente com o meu.
N – Mas eu tenho medo. – Disse ela fazendo uma carinha fofa. – E aposto que não vou conseguir dormir com isto e vou sonhar com aquela “coisa”. – Disse com uma cara de nojo, por ter visto aquela cara feia. Eu tive de me rir da maneira que ela tinha dito aquilo.
F – Então pronto, eu tiro. – Tirei o filme e fechei o portátil. – Pronto! – Quando me voltei a encostar no sofá ela aconchegou-se novamente, estendeu a mão e eu sem pensar muito entrelacei os meus dedos nos dela, ela sorriu o que me fez sorrir também, ficamos algum tempo em silêncio não era um silêncio constrangedor mas um silêncio bom, como se estivéssemos a aproveitar que estávamos ali só os dois, senti-a mexer-se, levantou o rosto e olhou para mim, com aqueles olhos verdes lindos que hipnotizavam qualquer um, e deu-me um beijo. Sinceramente não estava há espera que ela o fosse fazer, eu já tinha decidido ir com calma com ela, irmos dando passos pequenos para ela se habituar há ideia e esquecer aquele parvalhão do Rodrigo. Retribui o beijo, e puxei-a mais para mim se isso fosse possível, num movimento rápido ela sentou-se de frente para mim com uma perna de cada lado mas sem separar o beijo, mas infelizmente a maldita falta de ar já faltava e tivemos mesmo de nos separar. – Elá isso é que são progressos. – Disse-me rindo.
N – Pshiuu! – Colocou um dedo em frente aos meus lábios, pedindo que me calasse e voltou a beijar-me. Ok, aquilo estava a ficar bom demais, mas como se diz “o que é bom acaba depressa” e foi o que aconteceu, alguém que já estava dentro de casa nos chamou há atenção,e não estavam com boa cara,ups!
(…)

Desculpem a demora (:
Fiz uma sondagem para mudar o nome do blogue, dêem-me a vossa opinião^^ 

Help (:

Que me dizem da ideia de mudar o nome do blogue ? (:
E um á parte ..

Já somos tantas *-*